Quem sou eu

Minha foto
Professora, pesquisadora, historiadora, um ser pensante, em mutação, completamente inacabada.

sábado, 4 de fevereiro de 2023

Dicas de leituras para os professores do Fundamental I ⚜️


Convidamos a Profa. Iara Nely para deixar sua contribuição para os professores do Fundamental I.

São obras que irão aperfeiçoar ainda mais a sua prática docente.

O que acharam dos títulos? 🕵🏽‍♀️

Dicas de leituras sobre ensino de História ⚜️


Neste post, selecionei quatro sugestões de leituras para iniciar com muita criatividade o ano letivo de 2023.

São obras que podem nos auxiliar no aperfeiçoamento de nossa prática docente e na construção de aulas dinâmicas.

🕵🏽‍♀️Espero que gostem!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Resenha do livro "O Caranguejo Santo" (Arlindo Cabocllo), por Lidiana Justo e Manassés Emidio

 



     CABOCLLO, Arlindo. O caranguejo santo. João Pessoa: União, 2017.


O livro de autoria de Arlindo Cabocllo (2017), intitulado “O Caranguejo Santo”, narra a vida de personagens comuns que encontramos em nosso dia a dia, muitas vezes, sem ao menos nos importarmos.

Com pouco mais de 80 páginas, Arlindo Cabocllo, através de sua formação e experiência (Professor da rede Estadual da Paraíba; Bacharel e Licenciado em Geografia (UFPB); Especialista em Geografia Ambiental Urbana (ESAB); extensões em Prevenção do Uso de Drogas (UNB) e Educação, Cidadania e Cultura (UEPB)), conduz o leitor numa narrativa surpreendente.

Tendo como personagem principal o catador de caranguejo Eurípedes, morador da Várzea Nova, no município de Santa Rita-PB, que, mesmo com pouca leitura, vivia indagando o fato de ter nascido pobre e sem oportunidades, questionando o motivo de tanta poluição no mangue, bem como buscando entender o porquê de as pessoas serem tão religiosas, ele acabava ficando horas e horas refletindo sobre esses temas, parecendo estar sempre pronto para uma oportunidade. Além de Eurípedes, outros personagens se destacaram, são eles: a cadela Pandora; Maria Santa, chamada carinhosamente de “Santinha”; Bonifácio (amigo com quem Eurípedes compartilhava suas ideias); Porfírio (assassino do tio); Heliogábalo (cheio de singularidades); Zequinha boca larga (o político espertalhão) e o cabo Justino (reputado policial).

O cotidiano citadino, marcado por diálogos permeados por gírias, jogos de dominós e encontros nas praças, assim como menções a prédios, ruas e estradas que não compõem mais a paisagem urbana, como o cinema dos “Irmãos Lumiéri”, outrora, conhecido como ponto de encontro e onde ocorriam as primeiras aventuras amorosas da mocidade, pareceu-nos um dos pontos atrativos da narrativa, como também as denúncias sociais, políticas e ambientais. 

Para aqueles que moram na região metropolitana de João Pessoa-PB, é uma oportunidade de poder reviver algumas lembranças de um passado que se apresenta de diversas maneiras, nos gestos, construções e/ou costumes. É possível ainda observar na narrativa, elementos do universo cristão, africano e da mitologia grega que, por vezes, se misturam.

A propósito, o encontro de Eurípedes com o grande caranguejo foi um divisor de águas em sua vida. A descoberta do “King Krab” no mangue, levou-o a uma ideia mirabolante, a qual compartilhou com Bonifácio, dizendo: “Esse caranguejo é santo”. Convencendo o amigo que podiam ganhar dinheiro dizendo que o crustáceo possuía capacidade miraculosa, algo que deu certo, pois levou muitas pessoas religiosas acreditarem no suposto poder que o caranguejo possuía. A farsa foi interrompida com o sumiço misterioso do caranguejo. Na ocasião, todos passaram a ser suspeitos e o cabo Justino foi o responsável por conduzir as investigações e por um ponto final no mistério. 

Ademais, pode-se ver e sentir o olhar de um autor que valoriza suas origens, defende o que pensa e narra a historia de tantas pessoas que muitas vezes são invisibilizadas. Mesmo sendo um livro de rápida leitura, há momentos em que ficamos confusos no que diz respeito à temporalidade histórica, mas isso não tira o mérito da obra.

Em vias de conclusão, não poderia deixar de lembrar que na  cidade de Bayeux-PB há um mangue na entrada da cidade, e, mais recentemente,  foi colocada naquele local uma estátua de um grande caranguejo - O que pensaria Eurípedes dessa grande estátua? Teria vingado a história de que o caranguejo era santo?. De uma coisa temos certeza, todas as vezes que passarmos pela entrada daquela cidade lembraremos com carinho da aventura narrada pelo criativo autor Arlindo Cabocllo no  seu livro- “O Caranguejo Santo”.

 Fica aqui o convite para a leitura da obra, leiam e deem boas risadas!

            

 

domingo, 24 de julho de 2022

JARDINS SUSPENSOS NA BABILÔNIA

 


Representação dos jardins suspensos da Babilônia. Disponível em: https://pt.quora.com/Os-Jardins-Suspensos-da-Babil%C3%B4nia-eram-reais. Acesso: 24/07/22.


Babilônia, cidade da Mesopotâmia, tornou-se um grande Império, seu maior desenvolvimento ocorreu no governo de Hamurábi que conquistou muitos territórios e elaborou o Código de Hamurábi, um conjunto de leis que deviam ser obedecidas em todo o Império. O rei de maior destaque foi Nabucodonosor que destruiu a cidade de Jerusalém e levou seus habitantes para a Babilônia. Este rei teria mandado construir os jardins suspensos no século VI a.C. em homenagem à sua esposa Semírames, devido à saudade que ela sentia de sua terra natal, a qual possuía uma florestas e flora abundante. Os jardins eram chamados de suspensos pelo fato de possuir seis andares e cada um deles terem árvores frutíferas e plantas diversas, quem avistavam ao longe, tinham a impressão de que os jardins estavam flutuando. Conta-se que na construção havia uma entrada que dava acesso aos aposentos do rei.

Recentemente a pesquisadora Dr. Sthephanie Dalley, da Universidade de Oxford, encontrou a localização do que seriam os jardins suspensos, segundo a pesquisadora o local preciso seria no território da Assíria, conhecida como Ninevah, atual Iraque. Dalley descobriu também que não foi Nabucodonosor quem construiu os jardins, mas o rei Assírio Senaqueribe há 2700 anos a.C. 

Fonte:

Revista Galileu Galilei- Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2013/11/encontraram-localizacao-dos-jardins-suspensos-da-babilonia.html; Acesso em: 24/07/2022.